Frestas em Conjunto: uma (des)instalação Proposta para o Epicentro

Long time no see, yeah?!

Aqui vão imagens e vídeos da Performance no Audio Visual Ao Vivo, promovido pelo Epicentro Cultural:

http://www.epicentrocultural.com/epicentro/?p=1311

Leave a comment

Fail Forever – astronauta mecanico’s new work coming soon

A preview of astronauta mecanico‘s new work. click here for the video.

She’ll be presenting it at the 4th Live Cinema Festival which takes place from September 1st to 4th, 2011 at Oi Futuro Ipanema, Rio de Janeiro.

 credits for the raw picture material: nino andrés

Leave a comment

Loose writings I

f l æ s h  –  The Process

f l æ s h  started from a desire to define my territory as an artist in the intersections of the performing arts and the visual arts where my work takes place. Looking back at my work as a choreographer, it was clear to me the struggle with the limitations of the idea of body language and those of the proscenium.  Like Maria La Ribot, with whom I’d had the chance to study in 2008, I started to strive for a reduction of scale. In La Ribot’s words: “reduce the scale and to find the same scale as my body’s was the main point”. But in order to really make the body the center of the research, I realized I had to clear the way for the “body”. In other words, the many bodies I had built upon the body of the self had to be peeled off or, in some cases, expurgated from within (the tissues).

That’s when my contact with Macrobiotics, which had been of use to a previous project of mine based on the implications of gender, took a whole new direction. For two years, I took the Macrobiotic style of life and its diets of detoxication to a certain extreme and lost 66 pounds from a 6 feet tall dancer’s body already low in fat that, before this process, didn’t weight more than 195 pounds. The main idea was to rid my body of most of the muscular memory that the years of dance training had added up. Not only the memory that originated from other bodies and their styles of movement had to go, but also what I thought was my own movement and body research.

At home, only a toilet mirror destined for personal hygiene was left and I stood away from full size mirrors as much as possible. In part because the letting go process proved to be in times harder than the expected and also because mirrors ended up demanding states of self awareness. Only a meditation practice and an isometric Iyengar Yoga practice were kept in order help the body and the mind cope with the strains of the change. Nonetheless, the detachment aspect of both these practices was emphasized.

Back in Brazil, I set to work at one of the places that spoke to me the most about my childhood. I soon learnt that a weekly ritual that had once left a huge imprint in me when a kid still took place regularly despite technological improvements in the households at this little beach community on the cost of Northeastern Brazil. Every Friday during sunset or Saturday at sunrise a cow is sacrificed in what could be considered a rudimentary technique. The natives still take place in the whole process, which to this day strengthens the bound between them and their families. I was welcomed in the house of one of them with only one crew member who would help me document the three days I was going to spend with the natives and the cow already destined to be sacrificed. Those were the three last days of the cow, which we eventually decided to call Marilyn in reference to Marilyn Monroe.

At that stage in the process of the project, its relation to the iconic figure of the diva was basically a strong connection I had imagined between the meat that a cow provides to the meat-like aspect of one of Marilyn Monroe’s nude calendar pictures, whose flesh we literally consume years after her death.

The idea was not only to follow the cow Marilyn during her last moments but to live her last moments of living creature and, after her death, those of a being which gives itself to the life of other creatures. Then followed one first day of introduction to each other; a second day of deepening of our relation and of sacrifice; and a third day of living with the community the steps of selling/buying the cow’s meat and that of eating it in a festive occasion.

Once in São Paulo for the beginning of the academic research, through a long and exhaustive process of feedback, it was a matter of acting upon the desires and listening to their reaction, letting surface the interests of the desires from the relationship between those three days spent with the cow Marilyn and Marilyn Monroe’s performatic presence.

After six months of sharing a house with the cow Marilyn’s dried but not treated skin in the centre of one of Latin America’s metropolis, the process had articulated itself in the format of a live performance, which took place at Galeria Vermelho in July 2010.

The performance became a ritualistic game of performative presence and its witnessing by the spectator. It encompassed issues such as the institutionalization of the Performance Art and of the performer’s body as both the subject and object of the work of art.  f l æ s h , as the performance was then entitled, was an attempt to transpose a heavily embodied presence to the medium of a video projection to be then consumed by the spectator.

As inspired by Marilyn Monroe’s infamous quote – ‘It’s not true I had nothing on. I had the radio on.’ – and in order to emphasize the here and now aspect of the performance art, f l æ s h  unraveled in space to the live sound of radio stations mixed by an assistant who followed the project from the beginning, since the cow Marilyn’s days.

f l æ s h  solved the debate over the documentation of the ontological performative act by turning the spectator him/herself into both the one who sees and gives meaning to the action and also the one who documents it through video or photography. For that purpose, a contest and a prize for the best shot of  f l æ s h  was set.

Either through the flyer or a note on the entrance of the gallery, the spectator was invited to take as many shots of f l æ s h and to use as much flash as wished as well as to send his best flash of a moment of  f l æ s h to be submitted to a voting contest on the weblog of the artist. As a member of the audience so distinctively put after the performance, the contest not only made the spectator a live and embodied part of the performative act, but also implied that the performance was to be seen through the lenses of the camera or its screen. It might even be said that the real performance was the act of documentation in itself, which then coincided with the act of consumption of the performative presence of the performer by the spectator.

1 Comment

Life’s suite – Anita Ekobag no nordeste do Brasil

O artista brasileiro Gabriel Brito Nunes residente em São Paulo (até descobrirem que ele é nordestino) está desenvolvendo um novo projeto cinematográfico e performativo de título e subtítulo Life’s suite – Sarabanda do Lixão .

CLIQUE AQUI PARA MAIS INFORMAÇÕES

O título faz referência à obra de que o projeto se apropria: “La Dolce Vita” de Federico Fellini. O início das filmagens está programado para dezembro de 2010 em locação numa montanha de lixo no estado de Sergipe conhecido como Aterro da Terra Dura (composto de dejetos provenientes de todo Brasil). O elenco nacional e internacional, no qual se incluem protagonistas que vivem no/do lixão, será encabeçado pela grande atriz sueca Anita Ekobag no papel de Sylvia, o mesmo que ela (não) interpretou no original do maestro italiano.

Anita Ekobag consentiu, após proposta de contrato com cachê de “milhões” (nordestinos) de dólares, incorporar a si mesma para um remake da cena que a imortalizou. Boatos correm que Anita já não possui o grande talento frontal que exibia junto a Marcello Mastroianni no original de Fellini – a fonte secou e o gatinho das ruas de Roma tomou todo o leite. Apesar de ainda ostentar uma altura de jogador de basquetebol, ela não pesa hoje mais do que 65Kg e, dizem as más línguas, depois de uma viagem à Tailândia, voltou com uma bagagem a mais entre suas belas pernas. Línguas mais malignas ainda espalham rumores de que tudo não passa de órgãos internos descendidos.  Embora tenha mudado grande parte de seu guarda-roupa, ela adora mais do que nunca paetês e o vestido “sack” alta costura a la Balanciaga, inspiração inicial para La Dolce Vita de Fellini. Vestido que ela ostentará mais uma vez ao banhar-se na locação do set do lixão do estado de Sergipe. Em entrevista exclusiva concedida a esse blog, Anita Ekobag afirmou estar ansiosa para conhecer os outros membros da equipe de filmagem e acrescentou em seu sotaque inconfundivelmente sueco: “It will be my first time in Latin America. I must make sure I schedule a meeting with the first woman president of Brazil. I might as well just stay with her for Carnival!” Questionada sobre sua possível intolerância ao calor escaldante do verão na região nordeste do Brasil, respondeu: “Hot, hot, hot. Just like me!”

Leave a comment

O flash que capturou o flesh de f l æ s h

E aqui vai o flash vencedor do Concurso f l æ s h:

Citando um dos comentários que contribuiram para a escolha da foto acima:

“O momento é lindo. Ela capta o espírito da performance. Tudo está aí. Interações dos espectadores, o performer em plena ação, alguém tirando a sua própria foto, a máscara do performer diluída, etc.. Além do mais, as cores são lindas…”

Obrigado a todos mais uma vez pelos comentários. Mesmo aqueles não muito simpáticos. Mas “pretencioso”, moi?!

As ideias para a performance privé estão rolando… tudo será combinado com o vencedor e, assim que tiver mais fotos, publico-as.

Agora não se esqueçam de votar para as eleições do domingo. Eu vou! De azul, verde e amarelo. As imagens do meu primeiro voto encontrarão um lugar aqui no blog também. Às urnas!

Leave a comment

Companheiros, às urnas!

Brasileiros e brasileiras (e os LGBTSPQTHFNSK), as eleições se aproximam e como, segundo a escritora e crítica de arte Elvira Vigna do periódico bimestral online científico sobre artes Aguarrás, eu sou um artista politizado, não poderia deixar de partilhar com vocês as minhas intenções de voto. Mas só as intenções pois o voto em si é secreto. E, como artista, pessoa pública, não devo influenciar àqueles que entram em contato com meu trabalho… ou será o contrário… agora me lembro de que Madonna transformou os últimos shows dela em propaganda política, especialmente no que concerne ao ex-presidente americano Bush… mas também, naquela época, quem quer que fosse a favor de Bush era capaz de ser linchado como racista.

Enfim, estou bastante – como diriam os americanos – excitado. Explico-me: voto pela primeira vez em minha vida domingo próximo. Por que pela primeira vez? Explico-me: quando tinha dezesseis anos, não me sentia preparado para votar. Como poderia? Naquela época, meu pai me chamava de comunista. Aos dezoito, logo antes das eleições daquele ano – não, não revelarei minha idade, ela é mais secreta do que meu voto – tive de justificar pois me mudei de estado poucos dias antes da data de votação e depois do prazo para transferência de título de eleitor. Depois, caí no mundo e levei dez anos para regressar à pátria amada. Oops! Quase revelo minha idade.

Mas agora tudo está em ordem e não tenho nenhuma viagem planejada para este fim de semana… a não ser que Madonna dê um chute na b*nda de Jesus – quem não quereria – e me convide para um almoço macrobiótico… não, não, ela teria de se contentar com um chá das cinco. Não perco meu primeiro voto por nada.

Já tenho até meu traje completo. Passei a tarde fazendo compras. Tudo tem de estar perfeito para o glorioso ato: terno azul, camisa amarela e gravata verde. Não vejo a hora de desfilar até minha sessão e apertar os botões… isso me lembra de uma coisa: tenho que procurar um daqueles tutorias sobre como utilizar uma daquelas máquinas no Youtube para não dar vexame.

Então, terno azul, camisa amarela, gravata verde. Ficou lindo. Não sei por que o vendedor queria me convencer a comprar uma camisa azul clara e uma gravata vermelha. Que falta de patriotismo. É por isso que esse país não vai para frente! Bando de americanizados! Eu, não. Eu sou roxo, quero dizer, verde e amarelo pelo meu país e pelo meus conterrâneos.

Vamos, companheiros! Tomem um avião, peguem o ônibus da rodoviária do Tietê até sua cidade no interior, enfrentem o trânsito engarrafado – já que Serra não acabou as linhas de metrô a tempo. Só não deixem de exercer seu maior direito de cidadão. É tanto direito que chega até a ser um dever. Votem! Votem! Votem!

Vejo vocês nas urnas.

Confirma, quero dizer, confira aqui como utilizar a urna eletrônica 2010.

Ah! Não deixem de votar para o Concurso  f l æ s h. Dei-me contas de que esse mês só vai até o dia 30. Então o resultado do concurso sai dia 01/10. Desde já, muitíssimo obrigado pelas fotos e pelos comentários e votos.

Leave a comment

Concurso f l æ s h

Ok, ok, estou atrasado com o resultado do Concurso  f l æ s h. O problema é que os fotógrafos parecem ser um tanto tímidos. Fui forçado a ir atrás das fotos eu mesmo. Ainda estou a espera de outras. Por isso, o resultado do concurso fica adiado para o dia 31 de setembro de 2010. Assim, tenho tempo de coletar o restante das fotos que sei haver por aí.

Quem sabe mais alguma aparece no e-mail flaesh.perfromance@gmail.com ?!

Não hesite em me enviar seu melhor flash de  f l æ s h.

Aqui vão as fotos que chegaram até agora.

Que venham muito mais!

Leave a comment

Follow

Get every new post delivered to your Inbox.